Racismo e cerveja: o mercado que o mercado precisa construir

Dois meses depois que o racismo revelou sua face no meio cervejeiro, com o caso da Cerveja Cafuza, os ataques à Cervejaria Implicantes e à sommelier Sara Araujo, muito se falou e se lamentou, mas ainda há muito a ser feito na prática para mudar esse cenário.

Parece repetitivo falar de racismo

Mas não é. E se você acha isso, te faço um convite: exerça o seu direito de escolher outro site e pare de ler agora. O que vem a seguir, interessa apenas a quem realmente sente que alguma coisa está errada e que, independentemente da sua cor, pode e deve ajudar a mudar.

Desde que escrevi o primeiro texto sobre o assunto, meu objetivo foi usar usar este espaço e minhas redes para compartilhar uma angústia minha e de todos os profissionais e pessoas pretas desrespeitadas com tudo que está acontecendo. Mas além disso, também queria dar luz e provocar uma discussão sobre um tema que ainda segue velado dentro da comunidade cervejeira.

O objetivo foi cumprido, mas em partes. Dentro da comunidade, consegui engajar milhares de pessoas que leram e compartilharam esses artigos. Naturalmente, outros setores foram impactados e sempre com o mesmo respeito e indignação, esses textos serviram para entender um pouco do que vem acontecendo. Outros artigos se somaram e alcançaram pessoas aqui e no mundo todo, compartilhando não apenas um texto, mas reflexões importantes sobre algo que é real e que pede providências e ações urgentes.

Photo by Nathan Dumlao on Unsplash

Com esse alcance, vieram também muitas mensagens de solidariedade, pessoas chocadas e com raiva dos acontecimentos racistas e de ódio contra pessoas pretas no meio cervejeiro. É claro que isso nos motiva. Historicamente, sempre foram apenas pessoas pretas lutando por si contra o sistema. Hoje, é possível notar que a luta ganhou novos aliados. Mas só o choque não mexe a régua da falta de representatividade, do racismo com quem está em um meio onde pessoas pretas ainda precisam dizer a que vieram e, ainda assim, são desrespeitadas e sofrem ataques de ódio, como Sara.

Um branco chocado com o racismo não muda nada

Tenho recebido muitas mensagens perguntando como lutar contra o racismo. Confesso que não sou especialista, mas tenho estudado e conversado muito com outras pessoas pretas pra que possa entender meu papel e como ajudar cada vez mais. Samuel Emilio, Sara Araujo entre outros são algumas das referências que não só me inspiram, mas também contribuem com suas reflexões, textos e conhecimento. É o que recomendo sempre quando alguém me pede ajuda: tome uma atitude verdadeira, prática e positiva. E como se faz isso? De várias formas, e estudar é só uma delas.

Photo by John Cameron on Unsplash

Pense, o racismo não nasce em nós, mas ele é ensinado desde cedo e não é um botão que você desliga e resolve o problema. É preciso desconstruí-lo a cada dia, em cada atitude sua e depois, em atitudes à sua volta. Samuel Emilio, em seu Diário Antirracista, faz isso de forma muito clara e prática, trazendo conceitos e provocando reflexões para praticar diariamente. Mas isso eu já repeti muito, se você chegou até aqui e ainda não se dedicou a estudar e entender, minha pergunta é: você realmente quer mudar algo? Se quer, invista esse tempo e aprenda.

Outra coisa que é preciso fazer é olhar em volta. Veja, de novo, são quase dois meses onde muito se falou sobre racismo no meio cervejeiro, e quando os ataques de ódio à Cervejaria Implicantes pareciam ser a coisa mais absurda que podíamos ver, uma sommelier negra é atacada em um grupo de sommeliers brancos. Mais choque, divulgação de prints, comoção nas redes sociais. Mas e na prática?

Qual o valor de pessoas pretas no mercado cervejeiro?

Uma nota de repúdio não muda muita coisa, o que muda é ação. Mas uma nota mostra algum respeito pelas vítimas e pela causa envolvida. Ela revela alguma preocupação com o cenário, pode trazer eventuais planos de ação imediata ou a longo prazo, afinal, como já disse, não se vira a chave e vira antirracista apertando um botão. E mais, uma nota de  posicionamento pode reconhecer que há um problema, ser solidária com o lado prejudicado, e colocar o mercado inteiro para se mexer e criar ações positivas que tragam mudança efetiva em prol da comunidade.

Abaixo, algumas iniciativas e manifestações relacionadas ao caso que envolveu a sommelier Sara Araujo e a Cervejaria Implicantes e também ao combate ao racismo no meio cervejeiro.

Doemens

A Doemens, criadora do primeiro curso de formação profissional de sommelier de cervejas do mundo, se manifestou através de nota assinada por seu diretor global, Michael Zepf, e a diretora de educação para América Latina e Península Ibérica, Cilene Saorin.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Cilene Saorin (@saorincilene) on

Escola Superior de Cerveja e Malte

Publicou uma nota de repúdio e afastou os profissionais citados nas mensagens com ataques à Sara Araujo, “que atuam de forma ocasional na ESCM”, e abriu processo junto ao Conselho Superior da instituição. Nota completa aqui

Science of Beer

Publicou nota de repúdio, informou que não possui em seu quadro nenhum dos envolvidos nos ataques à sommelier Sara Araujo, que também é professora da instituição com a aula ‘Racismo e a necessidade de ser antirracista no mercado cervejeiro’ e também informou que possui “um programa de ações afirmativas com bolsas de estudo parciais e integrais para negros, indígenas, pessoas com deficiência e outros grupos em situação de vulnerabilidade econômica.” Nota completa aqui

 

Abracerva

Divulgou nota onde declara que condena todos os tipos de discriminação e afirma que mesmo antes dos acontecimentos, já havia criado o Núcleo de Diversidade para combater essas atitudes, liderado pela sommelier Nadhine França. Nota original aqui.

Ambev

Através do perfil da Laura Aguiar, Head de Conhecimento e Cultura Cervejeira na Ambev, tive conhecimento da nota de repúdio abaixo, que se solidariza com as vítimas e fala de programas e politicas internas em prol de inclusão e diversidade. Post original no Linkedin

nota ambev sobre racismo

Heineken

Durante o evento online de Heineken sobre Raça e Carreira, promovido pelo Grupo Origens, o grupo interno de afinidade racial da Heineken, a companhia apresentou oportunidades que o grupo vai oferecer para formação de novos líderes com mais representatividade, e contou com o CEO Mauricio Giamellaro, que se comprometeu a estudar e a combater o racismo do ponto de vista pessoal e dentro da companhia.

Acerva/SC

Publicou uma nota de repúdio no Instagram em solidariedade aos profissionais ofendidos.

 

View this post on Instagram

 

Palavras como as que lemos nesse fim de semana (de um grupo fechado de WhatsApp) nos envergonham, nos entristecem. Esse não é o mundo cervejeiro do qual queremos fazer parte. A AcervA/SC repudia tais atitudes preconceituosas, e se solidariza com os que foram ofendidos. Queremos evidenciar que a cerveja é (ou deveria ser) democrática. Se não o é, que o recente acontecido deixe a lição para que se repense profundamente sobre isso, que na cerveja há espaço para todas as pessoas, todas as raças, credos, gêneros. Nossa missão aqui é de compartilhar conhecimento cervejeiro, e não o ódio. Que este momento sirva de reflexão, porque atitudes como estas já não cabem mais no mundo que vivemos. Um brinde ao respeito. Sugestão de leitura: https://www.farofamagazine.com.br/artigo/o-gabinete-do-odio-cervejeiro

A post shared by ACervA Catarinense (@acervasc) on

Acerva Gaúcha

Publicou uma nota de repúdio no Facebook em solidariedade aos profissionais ofendidos.

Nota de Repúdio

A Associação dos Cervejeiros Artesanais do Rio Grande do Sul (ACervA Gaúcha) vem a público repudiar…

Publicado por Acerva Gaúcha em Quarta-feira, 19 de agosto de 2020

Brewers Association

Nos Estados Unidos, após ser criticada por não se posicionar enfaticamente em casos de racismo no segmento, a Brewers Association aprovou um código de conduta que incentiva cervejeiros a não se calarem ao testemunharem qualquer tipo de discriminação. Leia mais aqui

É urgente um posicionamento claro de quem vive desse mercado

Photo by Clay Banks on Unsplash

É preciso mais envolvimento e ações práticas. Cervejarias, bares, escolas, entidades cervejeiras e seus profissionais precisam entrar nesse jogo, incluir profissionais negros na discussão e trabalhar formas de aumentar representatividade e inclusão. Além disso, é urgente e imprescindível que o combate ao racismo e a racistas seja feito de forma clara e efetiva, seja através da criação de códigos de conduta para docentes, funcionários e outros profissionais, seja pela inclusão de disciplinas que tragam o tema racismo para a sala de aula.

O caso da Cerveja Cafuza é apenas um dos muitos onde uma cervejaria usa a cultura negra sem entender nada sobre ela, cria algo ofensivo e depois precisa se desculpar. Por que o máximo que uma cervejaria consegue chamar de homenagem ao povo preto é associá-lo a uma cerveja escura?

É preciso envolver pessoas pretas para criar algo legítimo e positivo. Se você anda pensando em trabalhar no meio cervejeiro ou estudar pra saber mais sobre cerveja, ajude a promover uma mudança. Questione como instituições, associações, bares e profissionais que você respeita estão lidando com os casos recentes de racismo e ataques de ódio. Questione seus posicionamentos, e principalmente, a falta deles.

Isso não acaba aqui

Photo by Clay Banks on Unsplash

Essa discussão veio pra ficar. Há menos pessoas pretas com protagonismo no mercado cervejeiro do que a gente gostaria, mas elas estão lá. Há muitas outras chegando com vontade de ajudar a transformar esse mercado. Estudos estão aí pra provar que diversidade faz bem para a vida, pras pessoas e para os negócios. Quem enxergar os benefícios e entrar nessa jornada de transformação agora, pode fazer a diferença. Mas principalmente, fará história.

Escolas, associações, cervejarias, bares e profissionais são parte fundamental da transformação que o mercado precisa para ser mais ético, diverso e inclusivo do que é hoje. São eles que organizam o mercado, formam e empregam profissionais. São eles que precisam combater diariamente atitudes racistas e dar exemplo.

Inovação também é rever condutas nocivas. É ouvir a comunidade na qual você está inserido e se aliar a ela para, juntos, fazer desse mercado um espaço de respeito, diversidade e equidade para todas, todos e todes.

About

Publicitário, pós-graduado em Gestão de Marketing e com mais de 15 anos de experiência como criativo, escreve em blogs desde 2004, adora Instagram, é cervejeiro, sneakerhead e autor do livro
 "Hora do gole, aquela pausa entre umas e outras".

You may also like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: